Processos de Fabricação

Os tubos, tanques e conexões TG FIBERGLASS, são fabricados em várias camadas de reforço em fibra de vidro, intercalando-se com mantas e tecidos impregnados com resinas de Poliester, Ester Vinilica ou Epoxi resistentes a corrosão.

HAND LAY-UP (Laminação manual)

Os tubos, tanques e conexões TG FIBERGLASS são fabricados em várias camadas de reforço de fibra de vidro , intercalando-se mantas e tecidos impregnados com resinas Poliester, Ester Vinilica ou Epoxi resistentes a corrosão.

Laminados manualmente sobre moldes ou mandris espelhados os projetos são desenhados sob medida. Sendo que, estas camadas são devidamente compactadas até que a espessura final do laminado seja atingida.

Fabricados com mão de obra altamente qualificada e especializada, os tubos, tanques e conexões em PRFV da TG FIBERGLASS podem ser produzidos virtualmente para qualquer tamanho, não importando quão complexo seja e nas mais diferentes aplicações, no campo da corrosão.

Os laminados expostos a ambientes corrosivos são constituídos de quatro partes: laminado interno, laminado intermediário, laminado estrutural e laminado externo, onde se diferenciam da seguinte forma:

LAMINADO INTERNO

Também conhecido como “LINER” é a parte do laminado que suporta o ataque químico direto do ambiente corrosivo, construído com uma ou duas camadas de véu de superfície de vidro tipo “C” ou véu sintético com gramatura de 35 g/m² por camada e resina adequada ao ambiente agressivo, na proporção de 90% de resina e 10% de vidro.

O véu assegura uniformidade de espessura e melhor resistência ao impacto e a abrasão. O laminado interno evita que as fibras de vidro tenham contato direto com o ambiente agressivo, incluindo alguns que nem mesmo em aço inoxidável poderiam resistir.

LAMINADO INTERMEDIÁRIO

Também conhecido como “BARREIRA QUÍMICA”, é a parte do laminado responsável pela proteção do laminado estrutural, construído com duas camadas de mantas de fibras de vidro ou fio picado de fibra de vidro com gramatura de 450 g/m² por camada e a mesma resina usada no “LINER”.

A proporção é de 30% manta de fibra de vidro e 70% de resina.

LAMINADO ESTRUTURAL

E a parte do laminado que assegura a capacidade de resistência aos esforços externos e internos atuantes no laminado. Este processo de laminação manual, é construído por camadas alternadas de mantas de fibras de vidro ou e ou fio picado de fibra de vidro com gramatura de 450 g/m² tecidos de fibras de vidro de 600 g/m² (30 a 40%) impregnados com Resina (60 a 70%) aplicados manualmente.

A quantidade de mantas e tecidos é dimensionada em função da resistência mecânica desejada.

LAMINADO EXTERNO

É a parte do laminado responsável pela cura superficial adequada e pela proteção do laminado estrutural contra as interpéries e Raios Solares. É construído com a aplicação de uma camada de 0,10 a 0,25 mm de espessura de resina parafinada contendo aditivo inibidor a absorção de Raios Ultravioleta.

Se a superfície externa estiver exposta a ambientes quimicamente corrosivos, a mesma deve ser construída com véu de superfície, como o interno. A cura se processa a temperatura ambiente ou em estufas apropriadas.

Os laminados TG FIBERGLASS apresentam um acabamento interno perfeitamente espelhado, (coeficiente de Hazen-Williams = 145) de acordo com os padrões da norma NBS Voluntary Product Standards, US Department of Commerce, National Bureau of Standards, november 15, 1969 (NBS PS-15/69 ).

FILAMENT WINDING (Processo de enrolamento)

O processo de laminação conhecido como enrolamento, atendido pelas normas ASTM D- 3299 e ASTM D- 2996, é mecanizado e mais sofisticado que o processo manual (Hand Lay Up) . A laminação por enrolamento é usada principalmente para fabricação de estruturas cilíndricas, como costados de tanques, tubos ou dutos.

No caso dos tanques TG FIBERGLASS de grandes dimensões, as calotas e conexões são moldadas separadamente, fabricadas pelos processos manual (Hand Lay Up) ou pelo processo de laminação à pistola (Spray-Up), para posterior montagem com o costado cilíndrico laminado por enrolamento automático.

No processo de enrolamento as fibras de fios cortinuas “Roving” são impregnados em resina de Poliester, Ester Vinilica ou Epoxi e enroladas helicoidalmente sobre o molde rotatório (Mandril) no angulo exato proporcionando assim o máximo de resistência do produto.

Com a estrutura enrolada devido a uma maior resistência obtida pelos filamentos contínuos, é possível uma menor espessura de parede e a redução da mão de obra direta na laminação, reduzindo o custo dos produto TG FIBERGLASS sem alterar as características mecânicas e a resistência à agressão química.

Os cilindros expostos a ambientes corrosivos são constituídos de quatro partes, laminado interno: laminado intermediário, laminado estrutural e laminado externo, onde se diferenciam: da seguinte forma:

LAMINADO INTERNO

Também conhecido como “LINER” é a parte do laminado que suporta o ataque químico direto do ambiente corrosivo, construído com uma ou duas camadas de véu de superfície de vidro tipo “C” ou véu sintético com gramatura de 35 g/m² por camada e resina adequada ao ambiente agressivo, na proporção de 90% de resina e 10% de vidro.

O véu assegura uniformidade de espessura e melhor resistência ao impacto e a abrasão. O laminado interno evita que as fibras de vidro tenham contato direto com o ambiente agressivo, incluindo alguns que nem mesmo em aço inoxidável poderiam resistir.

LAMINADO INTERMEDIÁRIO

Também conhecido como “BARREIRA QUÍMICA”, é a parte do laminado responsável pela proteção do laminado estrutural, construído com duas camadas de mantas de fibras de vidro ou fio picado de fibra de vidro com gramatura de 450 g/m² por camada e a mesma resina usada no “LINER”.

A proporção é de 30% manta de fibra de vidro e 70% de resina.

LAMINADO ESTRUTURAL

É a parte do laminado que assegura a capacidade de resistência aos esforços externos e internos atuantes no laminado. Neste processo de laminação por enrolamento são usadas fibras de vidro continuas enroladas helicoidalme com um angulo exato, permitindo assim uma perfeita resistência mecânica circunferencial e os esforços axiais.

Neste processo de enrolamento, asbras de vidro devem ser impregnadas com resina. A proporção é de 65% de fios contínuos e 35% de resina.

LAMINADO EXTERNO

É a parte do laminado responsável pela cura superficial adequada e pela proteção do laminado estrutural contra as interpéries e Raios Solares. É construído com a aplicação de uma camada de 0,10 a 0,25 mm de espessura de resina parafinada contendo aditivo inibidor a absorção de Raios Ultra violeta.

Se a superfície externa estiver exposta a ambientes quimicamente corrosivos, a mesma deve ser construída com véu de superfície, como o interno. A cura se processa a temperatura ambiente ou em estufas apropriadas.

Dados das Propriedades Mecânicas e FísicasHand-Lay-UpFilament Winding
Peso especifico g/cm³1.3 a 1.51.6 a 1.8
Módulo de tração circ. Kgf/cm²190.000 a 220.00070.000 a 90.000
Resistência à tração circ. Kgf/cm²1.400 a 1.8003.800 a 4.400
Módulo à flexão Kgf/cm²70.000 a 90.000170.000 a 200.000
Resistência à flexão Kgf/cm²1.800 a 2.2003.400 a 4.000
Alongamento a ruptura %22
Resistência a compressão kgf/cm²1.6001.750
Condutibilidade térmica Kcal/h.m. ˚C0.20.3
Coeficiente de dilat. térmica linear ˚C-1x10-62514
Resistência ao cisalhamento kgf/cm²180240Proporção Resina/Vidro %70/3040/60
Relação de Poison0.300.30
Resistência ao cisalhamento kgf/cm²180240Proporção Resina/Vidro %70/3040/60
Dados das Propriedades Mecânicas e FísicasHand-Lay-UpFilament Winding
Peso especifico g/cm³1.3 a 1.51.6 a 1.8
Módulo de tração circ. Kgf/cm²190.000 a 220.00070.000 a 90.000
Resistência à tração circ. Kgf/cm²1.400 a 1.8003.800 a 4.400
Módulo à flexão Kgf/cm²70.000 a 90.000170.000 a 200.000
Resistência à flexão Kgf/cm²1.800 a 2.2003.400 a 4.000
Alongamento a ruptura %22
Resistência a compressão kgf/cm²1.6001.750
Condutibilidade térmica Kcal/h.m. ˚C0.20.3
Coeficiente de dilat. térmica linear ˚C-1x10-62514
Resistência ao cisalhamento kgf/cm²180240
Relação de Poison0.300.30
Proporção Resina/Vidro %70/3040/60